Noite de classe do Estoril Praia no Estádio do Marítimo

Foi uma noite de classe dos jogadores do Mágico Estoril Praia, que esta quarta-feira, 27 de janeiro, deixaram tudo em campo e eliminaram, no prolongamento, o Marítimo, por 1-3, garantindo o apuramento para as meias-finais da Taça de Portugal.

O Estoril Praia venceu e convenceu, eliminando a terceira equipa da I Liga na Taça de Portugal, recorde-se, já havia eliminado o Boavista e o Rio Ave, bem como o Sertanense e o Lusitano Ginásio, ambas no Campeonato de Portugal.

Num jogo que se adivinhava complicado, o Marítimo nos oitavos de final deixou pelo caminho o ligar da I Liga, o Sporting Clube de Portugal. Bruno Pinheiro voltou a fazer uma revolução no 11, fez alinhar de início Thiago na baliza, Carles Soria, Hugo Basto, Marcos Valente e Joãozinho na defesa, Gamboa, Zé Valente e Crespo no meio-campo. Murilo, Vidigal e Aziz como homens mais avançados no terreno, 5 alterações em relação ao 11 que defrontou o Mafra, na 17ª jornada da Liga Portugal 2 SabSeb.

Começou melhor o Marítimo, com uns primeiros 15 minutos que obrigaram o guarda-redes Thiago a duas intervenções decisivas, primeiro a defender um cruzamento remate de Rubén Macedo (6 minutos), depois a segurar um remate cruzado de Alipour (15 minutos).

O Estoril Praia foi encontrando espaço para impor a sua identidade de jogo e foi empurrando o Marítimo para o seu meio-campo defensivo, mas aos 30 minutos, numa altura em que a equipa de Cascais estava por cima do jogo, o Marítimo marca po 1-0, por Tagueu, que no coração da área saltou mais alto que a defesa Estorilista e fez mexer o marcador.

O Estoril Praia ainda procurou mudar o rumo dos acontecimentos na primeira parte, mas sem sucesso.

Na segunda parte só deu Estoril Praia, a equipa de Bruno Pinheiro encostou o Marítimo “às cordas”, impondo com categoria o futebol que tem vindo a praticar esta época, com construção a partir do seu reduto defensivo e com variações de flanco constantes, obrigando a equipa da Madeira a correr atrás da bola. Sentia-se que o golo havia de surgir, mas foi preciso esperar até ao tempo de compensação quando João Gamboa rematou na entrada da área, com a bola a bater no braço de um defesa do Marítimo, lance de grande penalidade, prontamente assinalada pelo árbitro João Malheiro e confirmada pelo VAR.

Encarregue da conversão, o próprio João Gamboa converteu, igualando a partida e levando o jogo para prolongamento.

No prolongamento, mais do mesmo, mais Estoril Praia, a jogar com mais espaço e logo aos 3 minutos do tempo extra, Harramiz, que entrou aos 65 minutos para o lugar de Vidigal, é derrubado por Caio no interior da pequena área e novo penalti. Encarregue novamente da conversão, João Gamboa fez a bola passar junto ao poste da baliza do Marítimo.

O Estoril Praia acreditou sempre que podia vencer na Madeira e aos 97 minutos, Pedro Empis, que entrou para o lugar do lesionado Aziz, progride pelo lado esquerdo no ataque no Mágico, tabela com Crespo, entra na área e junto à linha de fundo dá para Amani Lazare, que com a classe de um grande jogador, empurra de calcanhar para a baliza do Marítimo, estava feito o 1-2, o Estoril Praia virava o resultado e estava pela primeira vez na frente do marcador.

O Estoril Praia não dormiu à sombra da vantagem e aos 100 minutos, Amani rouba a bola a meio campo, dá para Empis na esquerda, que só não marca porque a bola foi desviada por um defesa do Marítimo e passa a centímetros do poste da baliza à guarda de Caio.

Não marcou Empis, marcou Harramiz. Numa jogada de transição rápida, Bruno Lourenço desmarca Harramiz que de trivela sela a vitória do Estoril Praia, 1-3.

No final, fez a festa o Estoril Praia, que garante a presença da meia-final da prova Raínha, ficando à espera da partida entre de Benfica ou B SAD para conhecer o seu adversário na próxima fase.

A Conferência de Imprensa de Bruno Pinheiro

Bruno Pinheiro era um treinador feliz no final do encontro com o Marítimo, a terceira equipa da I Liga a ser eliminada pelo Estoril Praia na edição 2020/2021 da Taça de Portugal.

Acreditamos sempre até ao fim, acho que a equipa foi coesa, tentou sempre jogar, mesmo quando o jogo estava 0-0, tivemos sempre mais ambição de chegar ao golo, infelizmente o Marítimo acabou por ganhar vantagem, mas a equipa continuou a jogar. Nos últimos 10 minutos fomos mais na emoção, aí sim fiquei preocupado porque já não estávamos a ter o mesmo critério para chegar à área contrária e a partir do momento em que fazemos o empate, acho que os jogadores se soltaram ainda mais, encontraram um espaço um bocadinho em todos os lados do campo e sinceramente acho que a vitória acaba por ser mais do que justa.”, referiu o treinador do Estoril Praia.

 

Sobre a próxima eliminatória, Bruno Pinheiro manifestou a sua preferência em relação ao adversário, “B SAD, porque trabalhei muitos anos no Belenenses, é um clube que tenho no coração e adoraria encontrar o Belenenses na meia-final.”

 

“Quem viu o jogo de hoje, apesar de não haver nenhuma equipa a dominar a outra, o Estoril fez um belíssimo jogo, e foi uma vitória justíssima e clara. A vitória de hoje justifica termos eliminado o Boavista e o Rio Ave. No futuro a predisposição é a mesma, entrar em campo para ser melhor que o adversário. O resultado, ninguém o controla.”, concluiu o técnico do Mágico Estoril Praia

 

Resumo do Marítimo 1 – Estoril Praia 3

Ficha de jogo