O Estoril Praia recebeu esta terça-feira, 22 de setembro, o Marítimo, num encontro disputado no Estádio do Real Sport Clube, em Massamá, a contar para a jornada 3 da Liga Revelação.

O Estoril Praia entrou em campo com Sandro Cabral na baliza, Tiago Manso, Bernardo Vital, João Dias e Lucas Silva na defesa, Gustavo Klismahn, Afonso Valete e Lucho Veja no meio-campo, Paulinho, Douglas Aurélio e Gilson na frente de ataque.

Começou melhor o Estoril Praia e logo ao minuto 2 Paulinho desferiu um remate de fora da área que passou rente ao poste da baliza à guarda de Paulo Teixeira. Com o Estoril Praia por cima do jogo, foi o Marítimo quem primeiro marcou, decorria o minuto 18 da partida, no seguimento de um livre a defesa do Mágico ainda aliviou a bola que sobrou para Ruan Teles, que abriu o ativo no Estádio do Real Sport Clube.

Os comandados por Vasco Botelho da Costa reagiram ao golo e ao minuto 32 Tiago Manso na direita do ataque Estorilista fez um centro remate que obrigou o guarda-redes do Marítimo a defender para canto.

Com sinal mais na partida, o Mágico restabeleceu a igualdade no marcador ao minuto 43. Paulinho bate um livre do lado esquerdo do ataque e Bernardo Vital aparece sem oposição ao segundo poste e cabeceia para o fundo das redes dos insulares, fazendo o 1-1 com que se chegou ao intervalo.

O Estoril Praia voltou dos balneários com vontade de vencer a partida e por duas ocasiões este perto do golo. Primeiro ao minuto 47, com Douglas Aurélio na direita a entra na área e assiste Paulinho que rematou forte para a defesa de Paulo Teixeira. Depois com Paulinho a trabalhar da esquerda e a encontrar Lucho Veja que no coração da área rematou por cima da baliza do Marítimo.

O Marítimo reagiu e ao minuto 50 Nassur Bacem desmarca-se da esquerda e centra para o recém-entrado Aires de Sousa que no poste contrário só não fez golo porque encontrou pela frente Sandro Cabral, com o guardião do Mágico a evitar o golo maritimista.

Aos 54 minutos, numa transição rápida do Mágico Lucho Veja isola Gilson que é derrubado à entrada da área por Moisés Mosquera, com a Árbitra Catarina Campos a dar ordem de expulsão ao defesa dos insulares. Na sequência do livre direto Gustavo Klismahn obriga Pedro Teixeira a uma grande defesa para canto.

Gilson
Moisés Mosquera travou Gilson à entrada da grande área, o que garantiu a expulsão do jogador do Marítimo.

O Estoril Praia continuou a pressionar o adversário e voltou a ter duas oportunidades fragrantes de golo, ambas pelo lado esquerdo do ataque do Mágico. Paulinho ao minuto 58 e Lucas Silva ao minuto 60 obrigaram o guardião do Marítimo a duas defesas apertadas.

Ao minuto 61 Vasco Botelho da Costa refrescou a equipa, fazendo entrar Volnei Feltes para o lugar de Bernardo Vital e Diogo Batista para o lugar de Gustavo Klismahn.

Com um Estoril Praia dominante, ao minuto 67 Gilson entra pela direita do ataque do Mágico e remata rasteiro, com a bola a passar junto ao poste da baliza adversária.

Ao minuto 71 Vasco Botelho da Costa volta a mexer da equipa, refrescando o lado esquerdo do Mágico. Lucas Silva deu lugar João Castro e Paulinho a Ruben Pina.

Ao minuto 78 João Castro lança Douglas Aurélio na esquerda, com o extremo assistir Gilson Tavares, que no interior da pequena área introduziu a bola na baliza do Marítimo, lance que viria a ser anulado por alegado fora-de-jogo do atacante dos canarinhos.

O Marítimo baixou as linhas e apostou no contragolpe, e ao minuto 87 Ruan Teles obrigou Sandro a mais uma defesa.

Ao minuto 88 do encontro, Jet entrou para o lugar de Douglas Aurélio.

O jogo terminou com o Estoril Praia instalado no meio-campo do adversário, mas sem conseguir materializar em golo a superioridade do segundo tempo do encontro.

Vasco Botelho da Costa
No final da partida, o treinador Vasco Botelho da Costa fez uma análise do jogo

Para o treinador do Estoril Praia, “foi um jogo muito complicado com muitos jogadores do Marítimo B. Apresentaram um sistema de jogo com uma linha defensiva com 5 elementos, controlando bem os corredores laterais. O Estoril Praia entrou muito bem, libertámo-nos da pressão, colocámos a bola a circular depressa e contra a corrente do jogo o Marítimo, na sequência de uma bola parada, faz o golo. A equipa ficou intranquila, começou a sair do plano de jogo e demorámos 10 a 15 minutos a colocar a cabeça no lugar e a voltar a jogar de acordo com o que estava planeado. A partir de determinada altura, alterámos a nossa forma de sair e conseguimos ser mais perigosos novamente e com justiça, chegámos ao golo”.

“Na segunda parte entrámos muito bem, tivemos ocasiões claras para chegar à vantagem. Entretanto o adversário ficou a jogar com 10 e a partir daí tornou-se mais complicado, ficou menos espaço para jogar, o Marítimo só se preocupou em defender, mas mesmo assim conseguimos manter o nosso modelo de jogo. O que faz a diferença no resultado foi o não aproveitamento das oportunidades que criámos na segunda parte”, referiu Vasco Botelho da Costa em declarações ao site do Estoril Praia.

“No meu entender o resultado é muito injusto para aquilo que produzimos, mas vamos continuar a trabalhar, domingo temos outro jogo que queremos vencer”, concluiu o treinador de 31 anos.

Na tabela classificativa da Zona Sul da Liga Revelação, o Estoril Praia mantém o primeiro lugar, agora com 7 pontos, mais 3 que o Marítimo e o SL Benfica, ambos com menos 1 jogo.

Os sub23 do Estoril Praia voltam a jogar no próximo domingo, 27 de setembro, visitando o Cova da Piedade, num jogo transmitido em direto no Canal 11 a partir das 11 horas da manhã.